sábado, 10 de maio de 2008

Intangíveis. Olho neles.

Índios blogueiros, editores de vídeo adolescentes publicando suas obras na web, comunidades digitais e reuniões on line, ambientes de informação e troca de conhecimento de dia e de noite, num mundo sem fronteiras. Interior, periferia e centros urbanos conectados e as distâncias encurtadas. Gente se relacionando de maneira completamente original, inédita, diferente.

Nenhuma geração viveu isso, até hoje. E nenhuma empresa vai sobreviver se não mergulhar neste cenário, neste novo mundo. Meio psicodélico, sem dúvida, mas altamente desafiador, dinâmico, informativo. Comunicativo e intangível

Neste cenário, velhas formas de trabalho perdem espaço: o controle do tempo, dos movimentos, da produção pelo esforço muscular está posto em xeque pelo conhecimento. Conhecimento de si, do mundo, das dinâmicas relacionais. O capital físico, tangível, que mensura máquinas e equipamentos, quantidades, está em xeque diante do valor dos vínculos, do capital social, humano, emocional, relacional.

Não é à toa que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES já estuda incorporar a avaliação desses capitais intangíveis na análise de projetos a serem financiados pelo banco. Segundo o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, a avaliação dos intangíveis será incorporada ao rating das empresas, levando em conta elementos hoje praticamente ignorados quando se trata de aferir o potencial de viabilidade de um projeto, como estratégia, processos internos, recursos humanos, governança e ética. Por isso, olhos, ouvidos e sentidos ligados neles: os intangíveis não estão chegando. Eles já estão entre nós.

E você, profissional de comunicação - seja jornalista, RP, publicitário ou comunicador empresarial precisa ficar duplamente atento. A comunicação é muito mais do que a publicação de jornais, revistas, vídeos, relatórios (aliás, sempre foi). Os processos de comunicação de uma empresa são um patrimônio que afetam diretamente o valor do negócio.

Afinal, quanto vale a reputação de uma empresa? Outro intangível influenciado pelos processos comunicacionais existentes nas empresas?

3 comentários:

Fácil de Entender disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Fácil de Entender disse...

“O Patrimônio Intangível será cada vez mais importante do que o Patrimônio Tangível. E dos itens que compõem o Patrimônio Intangível, a marca é a síntese de todos eles.”

Norberto Odebrecht

Anônimo disse...

Amigo, confira:
Nova lei obriga grandes empresas a contabilizarem marcas

A publicação de balanços patrimoniais e da avaliação econômica de marcas de empresas de grande porte de capital fechado passou a ser obrigatória a partir deste ano. Ou não. A polêmica surgiu com a aprovação da lei nº 11.638/07, de 28 de dezembro de 2007, que altera e revoga dispositivos da chamada “Lei das S.A.”, de 1976.

A nova lei cria um subgrupo nos ativos permanentes: os intangíveis. A partir de agora, não apenas as marcas, mas também patentes, softwares e direitos autorais, entre outros bens não-físicos, ganham um espaço exclusivo e obrigatório na publicação.

Até então, nenhuma regra especificava esses ativos, que eram colocados em espaços aleatórios, geralmente como ativos imobilizados, ou, em muitos casos, não eram sequer divulgados.

Veja o artigo na íntegra em:
MUNDO DO MARKETING
http://www.mundodomarketing.com.br/materia.asp?codmateria=4956