terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Ricochete.


A Wilson criou uma bola de basquete "verde". Feita com 40% de borracha de pneu usado a nova bola chama-se Rebound (Ricochete) e é um lançamento focado nas exigências ambientais atuais. A Wilson inovou também ao "embalar" a bola numa caixa de papelão (reciclado, lógico).


Acho que bola de basquete não precisa de embalagem. Mas, tudo bem, a empresa marcou um golaço...ops...um cestaço!

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

You Tube é a nova MTV?


Será que eu estou enganado?

O site do Yout Tube que começou como um local de publicação para vídeos amadores, onde pessoas desconhecidas colocavam suas criações, tornou-se um canal para vermos produções consagradas. Não é? Se não, porque a Warner Music(http://www.timewarner.com/corp/aboutus/our_company.html) estaria processando o You Tube para tirar do ar os clipes da Madonna, Metalica, Led Zeppelin entre outros?

Ao alcance de um clique, trechos de filmes, clipes musicais e grandes produções apresentados no You Tube incomodam bastante outros gigantes da mídia. A Musiv Television que se cuide, pois a moçadinha mais nova (que a própria MTV define como "Geração P" de programadores, capazes de personalizar seu entretenimento de acordo com seus gostos particulares) está migrando para a web e o You Tube é um dos canais mais utilizados.

A briga vai ser boa. A MTV não está parada e ela mesma já possui sites próprios para competir com o You Tube. Um deles, por exemplo, é o http://dance.mtv.com/para bailarinos amadores exibirem seus vídeos e suas apresentações.

Outr exemplo, que ainda não está disponível para o Brasil, é o da http://www.hulu.com/tv - site que possui conteúdos exibidos "oficialmente" por grandes emissoras e estúdios. Não é da MTV mas é outra resposta ao sucesso de audiência do You Tube.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

MARCAS GORDUROSAS?

O Ministério da Saúde adverte: gordura trans afeta a reputação das marcas de alimentos.

A gordura trans existe em uma enorme quantidade de alimentos industrializados e é utilizada para dar mais consistência aos produtos e deixá-los mais frescos por mais tempo. Acontece que a ingestão em excesso dessa gordurinha – que existe em biscoitos e salgadinhos (deixando-os mais crocantes) e margarinas e sorvetes (deixando-os mais cremosos) pode aumentar o colesterol ruim, provocar entupimento dos vasos sanguíneos e favorecer o surgimento de problemas cardiovasculares.

Portanto, até 2010, a proposta do Ministério da Saúde é que o Brasil tenha os mesmos índices de consumo recomendados pela OMS-Organização Mundial de Saúde (no máximo dois gramas por dia para um adulto). Difícil, hein? Mas como nenhuma marca vai querer ficar com aspecto gorduroso na foto, a indústria brasileira de alimentos vai ter de reduzir a gordura trans nos seus produtos. Por isso, não é à toa que várias marcas já começaram a estampar em suas embalagens a informação: ZERO GORDURA TRANS.

E olho vivo nas marcas gordurosas!

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Parceria Kellogg´s 2.

Tudo seria as mil maravilhas no mundo dos sucrilhos se não fosse a premiação "Bad Company Awards" da CI - Consumers International - The Global Voice of the Consumers, ONG global de defesa dos direitos dos consumidores.

A ONG colocou a Kellogg 's e a Lego (fabricante das pequeninas peças de construção que se encaixam umas nas outras formando todo tipo de figura) no pódio da crise. Não a financeira que abala o mundo, mas na crise de imagem - igualmente destrutiva. Numa parceria, as duas empresas criaram os "legos" comestíveis: açucarados, tipo goma e coloridos. Uma idéia que parecia super interessante do ponto de vista da turma de marketing, mas que deu muita dor de cabeça para os advogados. A CI verificou o óbvio: a criançada não ia distinguir entre uma quadradrinho comestível e outro que é só brinquedinho intragável. O resultado poderia ser que pais e mães vissem seus filhos sufocando com pecinhas Lego, o que iria causar a destruição das marcas (se bem que pais e mães mais atentos não iriam nem comprar uma balinha dessas).

Bom, a Kellogg 's que produziu os quitutes também não percebeu o estrago potencial e embarcou na parceria. De acordo com as informações do site da Consumers International, a Lego e a Kelloggs vão retirar do mercado o produto.

Veja mais sobre a CI, acesse: http://www.consumersinternational.org/

E visite também o site da Lego:http://www.lego.com/eng/info/default.asp?page=facts

Parceria Kellogg´s.

A Kellogg's fabricante dos famosos sucrilhos e dona do personagem Tony The Tiger (de quem sou fã desde criancinha) está com uma promoção em conjunto com os Computadores Positivo até dia 28 de fevereiro de 2009. A parceria nacional, dará um Mobo (que nome é esse?) – computador portátil da Positivo – para os quatro primeiros participantes que tiverem a pontuação necessária na Arena Digital Sucrilhos.

A pontuação poderá ser trocada por "recompensas" como papéis de parede para celulares e também videogames.

Acesse e conheça mais: http://www.sucrilhos.com.br.







quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Twitter.


Você já conhece o Twitter? Vale uma espiada. É uma espécie de blog para recados rápidos e conexões imediatas com amigos, redes de trabalho e troca de informações. A pergunta que move o site é: "O que você está fazendo?".

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Direitos Humanos.


Há 60 anos era assinada a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Ou seja, hoje é uma data importante para a humanidade e para nosso futuro. Como qualquer lei, norma ou diretriz, tudo fica muito "perfeito" no papel e no discurso, mas na prática a coisa muda de figura e as dificuldades de entendimento entre as pessoas se fazem mais presentes.

Todos nós devemos conhecer e nos engajar na defesa dos artigos publicados na declaração: empresas, sociedade, governos e cidadãos. Trata-se de uma verdadeira luta entre a civilização e a barbárie, entre o esclarecimento e o obscurantismo - luta diária, construção contínua.

sábado, 6 de dezembro de 2008

Valor.


"Curativos cirúrgicos, hastes flexíveis, absorventes higiênicos e filtro solar.Quem chega à farmácia ou supermercado com uma lista de compras como essa? No Brasil, milhões de pessoas chamam esses produtos por Band-Aid, Cotonetes, Modess ou Sundown, independentemente da marca ou do fabricante. Isso comprova que, mais do que fazer parte da rotina dos brasileiros, a Johnson&Johnson é referência em produtos de higiene, saúde e bem-estar."

Assim, começa o texto do Almanaque Johnson&Johnson 75 anos de Brasil que tive o prazer de receber recentemente. Amigos (as), registro: é realmente uma valor e tanto ter marcas que são sinônimos de produtos e ter uma imagem tão simpática e confiável na mente das pessoas. A J&J é isso, e muito mais. Afinal, no Brasil, a "família" J&J é grande e diversa: Johnson&Johnson Medical, Janssen-Cilag, Johnson&Johnson Produtos de Consumo e Vistakon - todas empresas com grande credibilidade. O que não é fácil de ser conquistado nem de ser mantido.

Mas a empresa tem uma base "do bem": seu credo traduz seus valores de forma ímpar e certeira. Criado em 1943, consegue ter mais de seis décadas de atualidade e modernidade (e olha que tem muita empresa mais nova que ainda não se encontrou em termos de princípios corporativos). Consegue citar todos os mais importantes stakeholders da organização e definir o que a empresa precisa cumprir para cada um deles (lembrem-se, em 43 não se falava em "sustentabilidade" nem"públicos de interesse" como hoje em dia).
Veja um trecho:"Somos responsáveis perante as comunidades nas quais vivemos e trabalhamos, bem como perante a comunidade mundial. Devemos ser bons cidadãos."

Show de bola, nãó é? E quem quiser, deve ler o texto completo. Uma aula!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Nova campanha.

Já escrevi neste blog sobre o Banco HSBC e o fantástico Blog do CEO que eles possuem, além de outros veículos integrados de comunicação interna como a televisão corporativa e os informativos impressos. São um exemplo e admiro muito a empresa por causa disso e dou os parabéns à equipe e à liderança.

Contudo, a última campanha do HSBC intitulada "Crianças" que está sendo veiculada na tv aberta, para vender previdência privada, me chamou a atenção por outro motivo. É muito provável que eles tenham pré-testado o filme e ele tenha sido aprovado pelos participantes do teste. Mas para mim, aqueles simpáticos velhinhos fazendo uma monte de criancices como cabra cega, luta de espada e outras situações infantis me remeteram mais a um surto de Alzheimer que acometeu os idosos. Eu não fecho um plano de previdência do HSBC para ficar daquele jeito na minha velhice.

Gente, sinceramente, reparem na turma. Precisa apresentar uma velhice "feliz" daquela maneira? Entendo como deve ser difícil aprovar uma campanha, mas nesse caso, sou muito mais a abordagem de um Banco Real que qualifica esse público como pessoas que atingiram a "maturidade". Gente que mantém uma vida útil, produtiva e conectada com o mundo real.
A sensação no "Crianças" é de que a aposentadoria é coisa de gágá, de gente que se infantilizou.
Ora, todo mundo pode ser criança, manter-se sincero, espontâneo, de olhar curioso e vívido para as coisas da vida - isso independe de idade ou da aposentadoria. Acho que acertariam em cheio se os velhinhos estivessem brincando com seus netos - aí, sim, show! Mas do jeito que ficou aquela sequência, causou-me desconforto. Não conheço velhinhos que fazem isso que o filme mostra (mesmo reconhecendo a "licença poética" dos criativos da JWT que bolaram o filme). Acho que foram infelizes na criação.

Confiram, o filme já está no You Tube: http://www.youtube.com/watch?v=LQqaIAAUCwI
E vejam mais, no Portal da Propaganda: http://www.portaldapropaganda.com/

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

A batalha do SAC.

As novas regras para funcionamento do SAC - Serviço de Atendimento ao Consumidor entraram em vigor ontem. Minha opinião sobre isso: quando o "cacique" chamado Governo, precisa entrar para definir normas e regras para uma variedade de empresas e negócios completamente diferentes uns dos outros, a coisa tende a desandar. Muitos políticos nunca viram uma folha de pagamento pela frente e muitos deles não fazem idéia do que é a livre iniciativa, a competição e também não são bons exemplos no bom atendimento aos clientes deles - os contribuintes e eleitores!

Por favor, entendam: sou 100% favorável ao atendimento de excelência ao cliente - seja na pré-venda de um serviço ou produto, seja durante a venda, no pós-venda e mesmo no cancelamento de um serviço ou devolução de mercadoria. Cliente é cliente, deve ser tratado como "rei" pois é quem paga a conta e é o motivo de existir de qualquer negócio. O motivo de existir de toda a empresa. E o pessoal do marketing sabe muito bem disso (acho que numa empresa orientada para atender ao cliente todo mundo é "pessoal de marketing").

Sei que não é fácil, nunca foi, mas é assim que deve ser:quem não sabe servir ao cliente, fecha. Lei de mercado! Mas essas regras, no meu entender, são por demais rigorosas...uma espera máxima de 60 segundos é um tempo realmente curto para sequer entender o que deseja o cliente do outro lado da linha não é, não? Um funcionamento de call center 24 horas, sete dias por semana, também encarece os custos operacionais de qualquer negócio e em tempos de crise, sei lá...a coisa pode ficar mais difícil para a empresa.

Portanto, o Ministério da Justiça capitaneando essa normatização rigorosa (queria que as empresas se adaptassem ao novo modelo em apenas dois meses!), mesmo que coberto de boas intenções na defesa dos direitos do consumidor, precisa ser lembrado de que a maior punição para uma empresa que não cumpre o que promete é a perda do cliente. Assim como para o político é a perda do voto do eleitor e para os cofres do governo, a perda de arrecadação.

Outra coisa, isso tudo pode acabar criando uma "indústria de indenizações". Por isso, que tal acompanharmos essa história, pois isso ainda vai dar muito o que falar?