terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Sustentabilidade: o futuro não é mais como era antigamente?

Definitivamente não. Mas fiquem calmos, leitores (as). Como estamos falando de futuro, tudo pode mudar e esta é a nossa única certeza: mudança. Para o bem ou para o mal, a escolha é sempre nossa. Não existem os culpados, só existe a nossa responsabilidade: diante do planeta, do país, da cidade e das organizações das quais participamos. E é nelas que eu quero me focar.

Públicas ou privadas – as organizações humanas são as alavancas capazes de construir outra realidade para o mundo no que diz respeito às dimensões econômicas, ambientais e sociais. A articulação entre governo, empresas, cidadania, instituições educacionais e imprensa, entre outras, é uma fórmula poderosa para encontrarmos soluções conjuntas para os desafios que temos pela frente.

Mudanças climáticas, biodiversidade em risco, hábitos e processos ambientalmente devastadores, lixo, escassez de água, necessidades energéticas, centros urbanos em crescimento caótico, produção de alimentos, educação, saúde e lucros.

Não é uma agenda pequena, não será simples dar conta. Mas nunca foi fácil enfrentar desafios envolvendo tanta gente junta (se a Terra é nossa única “espaçonave”, vamos precisar nos relacionar com gente que pensa diferente, age diferente, entende diferente). Mas isso a globalização já tinha nos mostrado que seria o principal desafio. E é aqui onde a comunicação entre em cena.

Através do diálogo participativo, através de canais interativos (e a web já nos ampliou esses horizontes de contato) e através de relacionamentos de longo prazo vamos ser capazes de encontrar o caminho de um futuro melhor. Pronto, alguns vão me achar por demais utópico – tudo bem. Gosto de sonhar, pois adoro mais ainda transformar sonhos em realidade. E trabalhar com comunicação para a sustentabilidade tem me dado esta satisfação. Tem me dado esta possibilidade de ver mudanças importantes acontecendo.

Tenho encontrado empresas buscando novos caminhos, aprendendo com erros e fazendo as coisas acontecerem de maneira inovadora em diversos setores. Gente comprometida dentro das organizações realizando dia após dia, mudanças importantes. Desde o setor de mineração, energia até o setor farmacêutico, bancário e cosmético. E a comunicação como fio condutor dessa evolução vai costurando novas redes sociais e possibilitando a troca de experiências, de contato, de entendimento entre pessoas diferentes e necessidades múltiplas.

Portanto, sim, é através de um modelo mais sustentável de negócios que vamos fazer com que o futuro seja outro. Com mais qualidade nas ações e nas relações, melhor aproveitamento de recursos, menos desperdício, menos injustiças sociais e maior respeito ao meio ambiente.

Um belo legado às gerações que ainda estão por vir.

2 comentários:

hilton disse...

Mestre Gaulia,
Perfeita a analogia do texto. Eu ainda diria uma frase do grande Alvin Tofler: “Analfabetos no século XXI não serão ( só ) os que não sabem ler e escrever, mas os que não sabem aprender, desaprender e reaprender”.
Abraços e parabéns pelo blog!
Hilton Israel

alessandro disse...

Parabéns!!!! Belo texto. O que seriam das ideologias se não fossem utópicas. Tolstoi se referiu uma vez sobre ideologias impossíveis com seguinte metáfora. Para se atravessar um rio e sair do outro lado em linha reta é necessário que se nade contra correnteza, caso contrário você sairá muito abaixo do seu objetivo na outra margem. Em outras palavras, se a gente abrir mão dos nossos sonhos para torná-los mais palpáveis eles deixam de ser sonhos.
Acredito num mundo melhor e que estamos evoluindo. Com passos de formiga e sem vontade, mas estamos.