sexta-feira, 15 de maio de 2009

Social media.


Estive no encontro de ex-alunos do Curso Internacional de Comunicação ABERJE-Syracuse University com a presença de Shell Holtz, um expert em mídia digital e relacionamentos online. Como sou um "seguidor" de Shell no twitter e nos seus blogs, não pude deixar de ir (além do que rever amigos e amigas de sala de aula é sempre um grande prazer).

Conversamos sobre casos onde as ferramentas digitais foram utilizadas para desmontar a reputação de marcas - através de redes de usuários furiosos, organizados via internet ou, pelo contrário, como foram utilizadas para humanizar a imagem de corporações e (re)conquistar a simpatia do público.

CEOs falando como gente comum, presidentes e diretores pedindo desculpas por erros ou mensagens mal interpretadas e transmitidas por conceitos publicitários mal elaborados. Tinha de tudo pelos diversos canais da web: twitter, wikipedia, youtube, facebook etc.

Cases como o de Skittles, da SWA, Coca-Cola e uma comparação entre a Petrobrás e a Exxon Mobil apontaram para o crescimento de um universo de comunicação que não pode ser mais ignorado pelas empresas. Comunicação que precisa ser monitorada, pois as pessoas estão falando de marcas, produtos, projetos e negócios quer as empresas percebam ou não. Quer as empresas respondam ou não. Quer as empresas participem ou não deste universo.

Na foto: Carolina Soares da ABERJE, Shell Holtz e eu.

2 comentários:

Gabriel Rossi disse...

Gaulia,

Lamentei não ter comparecido ao evento. Interessante como as redes sociais incentivam a comunicação para que a mesma transite de uma arte efêmera para uma ciência mais exata, através de canais de monitoramento que muitas vezes são gratuitos (twitter search, blogpulse etc....

Abraços

Gabriel

Luiz Antônio Gaulia. disse...

É Gabriel, você tem razão e o case Motrin - que você postou no seu blog (e Shell Holtz apresentou na palestra) é um exemplo.