sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Confidencial?

Impressionante a falta de cuidados com a comunicação que alguns executivos possuem. Nas reuniões com a equipe e com interlocutores externos de confiança muitas vezes escondem informações, passam comunicados fragmentados, evitam explicar situações de risco. Muitas vezes até desqualificam suas próprias equipes de comunicação.

Mas, vejam, basta seguirem pelos elevadores dos prédios onde trabalham ou entrarem nos restaurantes para o café da manhã ou o almoço (nem vou citar happy hour) para falarem dos problemas, das crises, de situações internas da empresa - sem qualquer cuidado. Sem medo de compartilhar informações com a coletividade.

Fui testemunha de dois episódios desses, daí a vontade de escrever. Há mais ou menos seis meses, após uma visita comercial desço pelo elevador e dois diretores tagarelas conversavam sobre um gravíssimo acidente de trabalho ocorrido numa unidade industrial, cuja origem foi a má manutenção das máquinas. Atrás deles um interessado sujeito prestava atenção em cada detalhe. Na sua lapela um button: Reuters - agência internacional de notícias.

Outra situação. Hoje, oito da manhã, cafézinho e pão de queijo, e dois executivos conversam na mesa ao lado: "Essa nova estrutura operacional não vai funcionar. Fulano e beltrano não se entendem e além disso tem apoios políticos diferentes, um é PSDB e outro é PT. E ano que vem a gente vai apoiar quem?"

Bom, a conversa foi além, mas só para vocês sentirem o grau de sensibilidade de um bate papo "inocente" em local público (um simples elevador e uma simples cefeteria) e que deveriam ter mais um pouco de sigilo. Mas que trazem informações que tornam-se públicas por total descuido. Ou melhor, total falta de um media trainning, de um coach com a equipe de comunicação ou mesmo de uma consultoria especializada. Concordam? É isso, aí.

Depois não acusem os jornalistas por eles saberem das últimas e irem investigar as coisas.

5 comentários:

Ocappuccino.com disse...

É mais do que falta de treinamento e discurso afinado, é falta de ética e de inteligência.

MATEUS

Mauro Segura disse...

Gaulia.
É isso mesmo. Esse é um tema recorrente que discutimos dentro da empresa. Por isso é que conduzimos uma comunicação sem fim dentro da empresa sobre a importância da comunicação e do tratamento de dados e informações estratégicas. O funcionário tem que saber como tratar a informação e entender que uma conversa de corredor é quase uma conversa pública. Estamos continuamente falando sobre isso dentro dos canais de comunicação interna e acho que vamos ter que continuar falando indefinidamente. Muito bom post. Abraços. Mauro Segura.

Anônimo disse...

Impressionante. E isso acontece não só na corporação privada, mas com os políticos. E a "reputação" corre riscos...

Henrique Paulatti disse...

Amigo Gaulia, comunicador e carioca.

O porta voz da PM RJ deveria realmente ser exonerado após a declaração sobre o caso AfroReggae? Assumiu um ponto de vista ou simplesmente se expressou mal?

Um abraço,

Henrique Paulatti

Luiz Antônio Gaulia. disse...

Mateus, pode ser isso mesmo que vc escreveu - mas gostaria de não acreditar que tal atitude beira a falta de ética. Mauro, obrigado pelo valioso comentário - creio que sem essa percepção, ainda vamos ter muita notinha nas colunas dos jornais.
Henrique, respondo sua colocação no blog de comunicação política, ok? Veja em http://comunicaopolticaegovernamental.blogspot.com/
Abraços, Gaulia