segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Uma rádio que ainda não saiu de moda, só de sintonia...

A rádio-peão ou rádio corredor é uma “conversa de bastidores” que corre em ondas distorcidas dentro das organizações. Trata-se de um disse me disse que causa ruído e tumultua a compreensão dos objetivos da empresa, manchando com palavras e comentários mesquinhos os valores representados na marca corporativa.

Mas essa rádio pirata não é a única culpada. Quando as pessoas não têm acesso ou possibilidade de uma comunicação interna fluida, transparente e madura, verdadeira, inovadora e voltada para o aprendizado comum, surge a fofoca. Característica humana, a conversa no cafézinho nem sempre precisa ser negativa, sarcástica, cínica. Mas ainda acontece na grande maioria das empresas que não sabem como sistematizar uma comunicação interna confiável, clara, inteligente. Permanente - que seja capaz de esclarecer as coisas e falar sobre o que é bom e o que é ruim.

Organizações que acreditam que o silêncio é a melhor estratégia, quando o assunto é comunicação interna, correm o risco de ter uma rádio corredor forte gerando informações distorcidas e boatos que comprometem até a produtividade das equipes.

Essa rede de informações que corre pelos bastidores têm impacto na qualidade das relações, atinge a confiança dos empregados diante das lideranças, conspira para criar um ambiente de trabalho neurótico de alta ansiedade e muitos receios.

Solução existe. Começar a falar e deixar o diálogo face a face entrar na moda nas passarelas, digo, nos corredores da empresa. Depois é evoluir e permitir que a sintonia fina da credibilidade ajude a formar não um exército de empregados fofoqueiros mas sim, uma elite interna de "embaixadores da marca".

Nenhum comentário: