terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Sua marca é um Tiger Woods?

Após revelações sobre um escândalo sexual, marcas poderosas como AT&T, Gatorade, Accenture e Gilete cancelaram seus contratos de patrocínio com Tiger Woods - o astro do golfe mundial.

Mais do que um campeão, Tiger Woods era um mito. Suas vitórias baseadas numa disciplina matemática e em movimentos precisos o elevaram a um patamar inédito no esporte. Mas não conseguiram preservar sua reputação.

Por causa das revelações bombásticas, prato cheio para sensacionalistas de plantão, milhões de dólares em patrocínios e verbas publicitárias foram retirados de campo. E segundo um estudo de Victor Stango,professor de economia da Universidade da Califórnia (EUA), os prejuízos giram em torno de 5 bilhões de dólares. Resultado: a imagem milionária do golfista foi para o buraco.

O nome Tiger Woods, antes percebido como sólido, sinônimo de inteligência, frieza e cálculo, revelou sua face humana, demasiadamente humana. Por trás do mito, o homem – com defeitos comuns aos mortais. E nesse desmanche da imagem construída com muito marketing e, claro, muitas vitórias, o escândalo foi uma tacada certeira na confiança. O preço a pagar é alto e vai demorar muito a subir. Se subir...

Portanto, a pergunta que não quer calar: e a sua marca? Qual a blindagem em reputação que ela tem para o caso de uma crise? Suas estratégias de marketing, sustentabilidade e relações públicas são pra valer? Ou, assim como Woods, elas têm dupla personalidade: uma em público e outra da porta de casa para dentro?

2 comentários:

Anônimo disse...

Como de costume os comentários do Gaulia são sempre pertinentes e esclarecedores, uma visão política atual e corretíssima. Para quem ñ pretendia assistir ao filme, vale uma repensada sobre o assunto.

Anônimo disse...

E a COSAN, Gaulia?