terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

100% de engajamento.

Ontem terminaram os desfiles das escolas de samba. Todo ano é um renovado espírito criativo que envolve logística, cenografia, coreografia, samba enredo, ensaios e motivação permanente até os 55 minutos do desfile. Um ano de dedicação para um objetivo de apenas uma hora.

Ou seja, 364 dias se reinventando como organização para tentar um novo campeonato no ano que vem. Haja engajamento. Motivação. Haja colaboração e...comunicação! As escolas de samba sempre me fizeram pensar que é possível construir empresas onde a comunicação funcione de maneira sistêmica, ampla e onde as pessoas estejam 100% comprometidas com os objetivos. Plenamente integrados - ala por ala. Em sincronia com o ritmo. Em sintonia com o processo de preparação anterior ao desfile e com o próprio desfile.

Onde todos os colaboradores sabem qual a estratégia, o que devem fazer, como devem fazer e todos estão diretamente envolvidos no resultado. E isso é evidentemente um modelo de comunicação que funciona - porque flui, permanente como água: regando cada cantinho da escola.

Se aqueles 55 minutos de desfile sairem fora do planejamento e derem errado, todo mundo perde. Assim como a recíproca é verdadeira. Caso garantam qualidade, entrega, encantamento e inovação - bingo! A consagração é de todos - trabalhadores e comunidade. É um show de administração, não é? E de comunicação interna, lógico. Porque se essas equipes multidisciplinares não se entenderem ao longo do ano, adeus título.

O objetivo é entregar o melhor produto, embalado pelo melhor da comunicação estratégica - a música, as roupas, a dança e o entusiasmo das equipes de apoio e de linha de frente. Tendo a paixão de fazer bem feito, com feedback e reconhecimento imediatos do cliente (o aplauso caloroso das arquibancadas). É, de fato, há um grande exemplo nas escolas de samba para as empresas.

Então, nesse finalzinho de Carnaval fica a questão: empresas públicas ou privadas podem chegar nesse nível de comprometimento? Nesse nível de comunicação? O que podemos aprender com as escolas de samba? Uma coisa é certa: elas têm um valor inquestionável em suas alas e não em seus murais de parede (mal comparando com nossas organizações). O valor de um trabalho que tem significado e por isso é realizado com orgulho e alegria. Muita alegria.

Um comentário:

Anônimo disse...

Vemos mais organizações como estruturas militares do que como escolas de samba. Interessante essa comparação.