domingo, 30 de maio de 2010

Ainda a BP...

Já tinha falado sobre o desastre da British Petroleum, a BP em conjunto com a Transocean e a Halliburton no Golfo do México. O vazamento ainda não parou e já ultrapassou na sua dimensão a tragédia do Exxon Valdéz no Alaska, em 1989.

No site da BP a tentativa "que nunca foi tentada antes em águas tão profundas" de cimentar através de uma injeção de lama pesada o fluxo de petróleo ("top kill") - possui uma ilustração animada para explicar aos visitantes como é feita a operação. Agora, eles vão tentar o uso de submarinos robôs para deter o vazamento.

O mais interessante é que no site Halliburton, ainda existe uma nota explicando que "a complexidade dos desafios (...) nas águas profundas do Golfo do México são imensas ("The complexity of the challenges presented (...) in the deepwater Gulf of Mexico, are immense") mas que a experiência da empresa fala por si ("Our experience speaks for itself"). Arrogância?

E se este desastre fosse no pré-sal brasileiro?

Para saber mais:

Exxon Valdéz (site do Greenpeace) -
http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Noticias/desastre-do-exxon-valdez-uma/

Folha de São Paulo -
http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/742969-bp-sabera-ate-o-final-da-semana-se-novo-plano-conteve-vazamento.shtml

BP -
http://bp.concerts.com/gom/topkill_zoom_frame_26052010.htm

Halliburton -
http://www.halliburton.com/ps/default.aspx?navid=1336&pageid=2721

Um comentário:

Anônimo disse...

Para complementar, a Revista EXAME publicou em sua edição nº 970 a reportagem: "Um erro de 60 bilhões de dólares" - sobre a série de equívocos da BP e a repercussão nagativa sobre sua imagem. Dia após dia cada vez mais "corroída".