quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Criança com nome de...marca famosa.


Através de uma dissertação de mestrado, de 2005, de Juliana Lopes, chamada "Nome do produto, marca de pessoa: consumo, publicidade e classificação" fiquei sabendo que há uma tendência crescente nos EUA (e no Brasil) de se colocar nome de produto, de marcas famosas, nas criancinhas. Ou seja, tem pai batizando o filho com nomes como Sony-Erickson, Prada, Audi, Nike.

Usar nomes de santos já era prática tradicional religiosa, assim como usar nomes de astros de Hollywood ( o nosso "Valdisney" é clássico exemplo, cuja referência é Walt Disney ). Mas, como ensina o Prof. Dr. Everardo Rocha, da PUC, a tendência de atrelar um nome de uma pessoa a um destino mercadológico, a um projeto de marketing, é completamente nova e...insana.

Imaginem o que um menino chamado "Colt" (marca de revólver) poderia ser? Ou um menino que odeia esportes ter o nome de "Nike"? Ou uma garota chamada "Prada" não conseguir sucesso financeiro na vida, ou mesmo a Prada perder o significado de luxo e se reposicionar como marca popular? Ou mesmo se uma marca como "Honda" ou "Samsung", por exemplo, passam a ser percebidas como racistas e alguém tem o nome de Carlos Samsung ou Joaquim Honda...já imaginaram que constrangimento?

Para ilustrar, compartilho aqui uma HQ da desenhista Carol Lay que também foi mostrada na aula do mestre Everardo e faz parte da dissertação de Juliana Lopes. Vejam que comédia (ou tragédia?).

Um comentário:

Tatiana Maia Lins disse...

Bizarro, Gaulia! Meu cunhado se chama Arlen e reza a lenda que tb há uma marca com esse nome.

http://autosom.net/novidades/20050630103504arlen_subcompact12_full.jpg

Mas no caso dele o Arlen veio da mistura do nome dos pais mesmo.