domingo, 21 de novembro de 2010

Seminário sobre Comunicação.




Amanhã começa o VII Encontro dePós Graduação em Comunicação na PUC Rio: estarei lá apresentando um trabalho sobre vídeos corporativos e a comunicação interna empresarial. O evento promete casa cheia. Vamos ver.

O corpo objeto e o objeto humanizado.


Para dar vida aos objetos e buscar um elo de ligação cada vez mais emocional com nosso inconsciente, a propaganda transforma coisas em gente. Literalmente. A questão deste post não é se aprofundar nessa análise, mas olhar e perceber o que pode vir além do apelo da compra.

Humanizar objetos talvez carregue em si seu oposto: "objetificar" o ser humano. Coisas não tem vida. A vida não é uma peça feita na fábrica, nem exposta na vitrine.Pelo menos não deveria ser. Se a gente entrar em piloto automático e deixar de perceber a diferença e o valor da vida em relação aos objetos e aos produtos, podemos realmente nos transformar em coisas. Como os andróides, como os robôs. Acima, vejam o carro da Ford, numa campanha publicitária de 2008, e os corpos humanos unindo máquina, carne, aço e coração.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Tudo é mídia. Tudo comunica.


Exemplo de criatividade que já circulou por aí, em outros sites e blogs, mas eu não podia deixar de publicar. Achei inteligente e certeira a proposta. Não faço idéia do que existe na fórmula química do tal creme Nivea para acabar com a celulite, mas a idéia é sensacional. E convenhamos, nenhuma mulher que tenha celulite quer saber o que existe numa fórmula mágica como a que o sofá azul simboliza.