domingo, 20 de fevereiro de 2011

Envolvimento responsável?

Será que "des-envolver" é o caminho para a sustentabilidade? Não faria mais sentido "envolver" cada vez mais as pessoas na construção da tal sustentabilidade? Se não me engano, o Prf. Evandro Ouriques já tinha escrito sobre isso em um de seus artigos. Estou apenas complementando a ideia. Acredito que palavras mais simples possam transmitir uma força maior de convocação e participação. Por isso, não simpatizo muito com o termo do "des-envolvimento". Prefiro pensar em termos de um envolvimento responsável. Mais fácil até para leigo entender.

Uma combinação que se traduz em atitude cuidadosa, atenciosa para com nossas relações em todos os sentidos. Nas dimensões ambientais, sociais e econômicas - pilares do "tripple bottom line" e ainda nas dimensões culturais, emocionais (afetos) e espirituais (não religiosas, ok?). Fui longe?Pura provocação, pura convocação. O mundo atual demanda essa visão integral da vida. Portanto, para começar, proponho: que o envolvimento responsável entre em pauta, bem como a integralidade da nossa atenção. Todos cuidando de todos e de tudo, sem sobrar ou fragmentar nada. Com prioridades sim, mas sem deixar gente excluída, resíduos industrais poluentes ou lucros de curto prazo comprometer o nosso futuro comum.

3 comentários:

Tatiana Maia Lins disse...

Concordo com o envolver sempre, pra chegar num resultado para todos. Sem envolvimento não há comprometimento.

Anônimo disse...

"Conte-me e eu vou esquecer.
Explique-me e eu vou entender.
Envolva-me e eu vou sentir."
(Confúcio)
Abç.

bigbrothergp disse...

Aprovo 100% a sua ideia, Luiz! Uma nova maneira de ver a composição da palavra desenvolvimento, que acaba mostrando seu real significado! Bravo!