terça-feira, 29 de novembro de 2011

A crise continua.

Não vai ser fácil para a Chevron retomar o ritmo normal de seus negócios, sem sua marca apanhar um pouco mais da imprensa e das redes sociais digitais. A revista Carta Capital é um bom exemplo do que está acontecendo com a imagem da multinacional petroleira norte-americana. Nas bancas, em todo o Brasil, com uma manchete forte e uma capa que vale por mil palavras, a reportagem é contundente: "Quanto mais tenta explicar, mais a Chevron se enrola sobre o vazamento". Não é à toa que o CEO da Chevron, no Brasil, pediu desculpas publicamente.

3 comentários:

Anônimo disse...

Professor, na sua aula o senhor falou sobre isso. A crise parece ser permanente e não só a mídia, mas as redes digitais repercutem as notícias capilarizando a sua distribuição. A notícia da notícia passa a ser notícia, assim como nesta postagem!

Anônimo disse...

John Amos, da SkyTruth em West Virginia, deixa um alerta: “Se todos esquecerem rapidamente o acidente, porque o vazamento não foi tão grande quanto o da Bp no Golfo do México, aí sim será uma tragédia. Essa é uma oportunidade de questionar a gestão da exploração em águas profundas, em territórios arriscados. Porque haverá um novo acidente. E vocês devem estar preparados para isso”.

Anônimo disse...

PROFESSOR: É GRAVE A CRISE!
17 executivos da Chevron e da Transocean Brasil estão impedidos de deixar o Brasil sem autorização judicial! Segundo O GLOBO de 18 de março!