domingo, 16 de setembro de 2012

Comunicação e reputação corporativa.

Estive no encontro promovido pela ABERJE na Casa do Saber, no Rio de Janeiro, na última sexta-feira dia, 14 de setembro, quando as agências S2Publicom e Weber Shandwick (EUA) compartilharam com o público presente o tema da Reputação Corporativa.

Um platéia atenta de profissionais de empresas como EBX, Rolls Royce, Transpetro, Petrobras, TBG e Murgel Life, entre outras marcas, teve a oportunidade de refletir sobre questões como a força das redes sociais digitais na construção (ou destruição) de uma reputação corporativa; o papel dos CEOs e o engajamento dos empregados na proteção da imagem da marca e da reputação institcional, dos produtos ou dos serviços das empresas; os riscos relativos aos crescentes movimentos regulatórios de governos e à influência da reputação de países na fabricação e comercialização de produtos.

Ao final, foram apresentados 7 passos básicos para a proteção da Reputação Corporativa:

1 - Tell your Story - Saiba contar a sua história;
2 - Internalize - Comunicação interna e criação de uma cultura organizacional são fundamentais para a Reputação Corporativa;
3 - Unify - Integrar marca institucional com a marca dos produtos e dos serviços é outra questão valiosa;
4 - Thought Leasdership - Pense em liderar o setor e inovar através da sua reputação;
5 - Credentialize - Tenha credibilidade;
6 - Be prepared - Esteja pronto para a crise on line e off line;
7 - Socialize - Comunique-se e saiba manter relacionamentos permanentes com diferentes stakeholders!



3 comentários:

Tatiana Maia Lins disse...

Todos esses pontos levantados são de fundamental importância na construção e manutenção de uma reputação positiva. De todo modo, incluo mais um ponto: a empresa precisa ter coerência entre o que discursa e o que pratica. Coerência que se consegue por meio de processos internos e de gestão claros e que pensem também na reputação. Durante a última conferência do Reputation Institute em Milão, ouvi uma proposta que achei sensacional: a de atrelar a remuneração dos gestores também à reputação da empresa. Pode ser um caminho para estreitar os gaps entre discurso e prática, não Gaulia?

Luiz Antônio Gaulia. disse...

Tatiana, é uma ideia. Contudo, todos devem ser encarados como responsáveis pela reputação da marca, do negócio e da empresa (ou do governo!).

Não só gestores, mas a organização completa. Você viu a repercussão on line do caso da Visou?

Abs
Gaulia

Tatiana Maia Lins / Makemake disse...

Nossa, o que foi aquilo? De tão bizarro achei que pudesse ser uma pegadinha!

Sim, todos são responsáveis pela reputação. Escrevi que cuidar da Reputação é dever de todos neste artigo publicado pelo querido Nós da Comunicação: http://www.nosdacomunicacao.com.br/panorama_interna.asp?panorama=501&tipo=G

Beijo!