sábado, 16 de março de 2013

Sustentabilidade: risco, oportunidade, inovação.

Sustentabilidade é conceito ainda mais repleto de perguntas do que de respostas. São várias interpretações do que seja "sustentável" e uma grande maioria de executivos ainda relaciona o termo apenas com a questão da perenidade. É sustentável aquilo que se perpetua no tempo. Correto. Mas não é só isso: as dimensões ambientais, sociais e econômicas devem ser entendidas como um conjunto indivisível capaz de manter-se em equilíbrio para evitar distorções ao longo do tempo. As três dimensões devem ser consideradas no balanço contábil (Triple bottom line).


Assim,  nenhuma empresa rica pode funcionar por muito tempo cercada de pobreza por todos os lados; nenhuma sociedade manterá sua riqueza se destruir por completo todos os recursos naturais disponíveis no curto espaço de tempo de uma geração; não vamos conseguir preservar a vida das florestas ou das baleias sem que tenhamos também geração de empregos e renda. Portanto, sequer pensar no assunto, torna-se um risco muito maior do que investir na questão e descobrir novas maneiras de fazer negócios, gerar valor e cuidar da rede de relações nas quais vivemos.

Sustentabilidade é mais do que "obedecer à Lei" (a legislação ambiental, as relações trabalhistas, as boas práticas da governança corporativa etc.). Também deve ser percebida além da capacidade de "diminuir riscos" pois ao descobrir erros e falhas nos processos da organização é natural que sejam traçados planos de mitigação  ou compensação de riscos e falhas (o que qualquer programa de qualidade faz). A sustentabilidade precisa ser entendida como um potencial de inovação: uma empresa pode tornar-se trend setter e definir novos caminhos para o mercado e desta forma posicionar-se na liderança, na linha de frente de seu segmento de atuação como a vanguarda a ser seguida, criando novos mercados e ganhando uma vantagem em relação aos seus concorrentes. Claro que esta é uma meta audaciosa que deve acontecer com apoio total dos líderes.  Lideranças igualmente inovadoras prontas para patrocinar o aprendizado organizacional nessa trajetória.


O que não dá mais é ficar esperando, sem fazer nada. As mudanças climáticas estão aí para comprovar essa emergência: uma questão que afeta a todos os negócios, os países e os cidadãos do mundo pois não respeita fronteiras políticas, limites de propriedades ou diferenças de classes sociais.

Um comentário:

Anônimo disse...

EXCELENTES AULAS NA ESPM, PROFESSOR GAULIA
ATE A PROXIMA
ABS