sábado, 27 de abril de 2013

Sustentabilidade é saber cuidar.

Esta semana reunimos o Comitê de Sustentabilidade da Estácio para a sua terceira reunião de 2013. Participantes das diretorias de Ensino, Gente & Gestão, Suprimentos, Comunicação Interna, Saúde  & Segurança  e Operações,  compartilharam planos e caminhos com  representantes do IFC - International Finance Corporation, da Olhar Cidadão e também da FBDS - Fundação Brasileira de Desenvolvimento Sustentável.



Há muito o que se fazer quando falamos dessa tal sustentabilidade. Mas o primeiro passo deve ser o de buscar uma definição simples do conceito, para que todo mundo consiga entender qual o papel de cada um nessa construção cotidiana e coletiva. Por isso, minha definição para sustentabilidade é saber cuidar. Simples? Sim. Difícil? também!Mas certamente um desafio fascinante!

terça-feira, 23 de abril de 2013

A marca de duas beldades.

A elegância e a potência  na quadra e nas pistas, no esporte e na indústria automobilística se reuniram: Maria Sharapova, tenista russa e campeã do torneio de Stuttgart na Alemanha e a Porsche, marca mítica de carrões esportivos e luxuosos, firmaram um acordo de três anos. Agora a beldade das quadras de tênis vai ser a embaixadora mundial da marca alemã. Quando os atributos da marca se alinham, personagem e produto se encontram em sintonia para ganhar em valor e admiração. Isso é essencial para o branding e para a reputação.


sábado, 6 de abril de 2013

O Branding e a Sustentabilidade.

A percepção de valor de uma marca vai muito além de sua estética. Como tudo comunica, desde o letreiro bem iluminado e colorido ao sorriso da recepcionista; a entrega do produto na hora certa com a devida qualidade; o discurso do CEO e os resultados financeiros bem como as práticas que preservam o ambiente e cuidam das relações humanas neste movimento permanente "dentro e fora" da organização, a marca é na verdade uma cultura de marca. Essa cultura tem base numa gestão sustentável que considera os temas materiais em cada uma das dimensões: social, ambiental e econômica (além de dimensões culturais, emocionais e até...espirituais!). Ou seja, o branding e a sustentabilidade, muito além dos rótulos, caminham naturalmente integrados pois fazem parte da empresa não como uma máquina, mas como um ser-vivo

Esse entendimento traz uma complexidade nova para aquele sujeito antigo chamado "público-alvo". Um cliente por exemplo, não é apenas um cliente dentro de uma loja. Ele pode ser  um juiz, um jornalista, um empresário, o próprio empregado! Portanto, a percepção de valor gerada nessa relação traz consigo detalhes e cuidados que estão conectados aos temas da sustentabilidade inserindo um dinamismo maior naquela aparentemente simples transação comercial entre cliente x produto ou cliente x serviço.

A sustentabilidade e o branding podem ser percebidos como a integração entre os movimentos estéticos de uma organização e a sua ética, na busca por inovação e diferenciação. Bom para pensar, não é?