sábado, 18 de maio de 2013

A "visão negativa" na comunicação.

Será que as campanhas "contra" alguma coisa funcionam mesmo? Campanha antitabagismo, campanha contra a corrupção, contra as drogas etc. Será que a mensagem do contra alguma coisa, com uma pegada negativa, consegue impactar uma pessoa além da proposta de trabalhar um conflito ou uma negatividade inerente a um relacionamento?

Tenho me perguntado se uma proposta de trabalhar uma visão de um futuro ao invés de trabalhar um viés de culpa, medo e conflito contra uma determinada ameaça (drogas, armas, violência contra a mulher etc.) não é bem mais eficiente como estratégia comunicativa.

Gosto de campanhas que nos ajudam a pensar, refletir e não dão respostas prontas. Quando trabalhamos com a mudança de hábitos e comportamentos estamos lidando com emoções e também modelos mentais e culturais que não são fáceis de serem mudados.Por isso, estimular as pessoas a concluir alguma coisa  por si mesmas, me parece muito mais inteligente do que "ser do contra" com mensagens óbvias, estimulando o conflito entre o certo e o errado. Mesmo porque muitas vezes o certo de hoje será o errado de amanhã...e vice-versa.





sábado, 11 de maio de 2013

Experiência de marca.

Com a tecnologia facilitando as coisas, o que há tempos era caro e difícil, tudo vai ficando simples. Um aparelho de telefone com linha, por exemplo, que há 20 anos era um objeto e um serviço que aqui no Brasil beirava a cifra de US$ 1.000 hoje saem por oitenta reais  - um aparelinho celular mais uma conta de cartão.

Some-se a essa facilidade tecnológica a necessidade cada vez maior de grandes (e pequenas) marcas se relacionarem de forma personalizada com seus clientes, consumidores, empregados e admiradores e pronto! Temos aqui o ápice do marketing de massa,  agora one-to-one tornado realidade! Aconteceu recentemente com a Coca-Cola com suas latinhas com nomes e está acontecendo com a FIAT, com a possibilidade de dezenas de combinações e detalhes personalizados de seus carrinhos.


Contudo, na Holanda, a Heineken é quem dá um bom exemplo dessa personalização através de sua Heineken Brand Experience. Além de "sentir" a marca numa espécie de bar temático, o cliente leva uma garrafinha com seu nome estampado, num rótulo personalizado.Claro que relacionamento não é só isso, mas fica simpático e sedutor uma grande marca tentar trabalhar e entregar seu produto de maneira individualizada para cada cliente, não é?

sábado, 4 de maio de 2013

Empreendedorismo esperança.

“O colorido desse caos é absolutamente indispensável
à composição da nação sonhada”
(Frase de Caetano Veloso e nome da sala temática da Exposição ‘A Ventura Republicana’ no Museu da República, aberta em 1996.)


Brasileiro é empreendedor. Dizem que nossa profissão é a esperança. Eu discordo. Acredito que seja o empreendedorismo nato pois a nossa história nos exigiu criatividade, jogo de cintura e... empreendedorismo! Claro, que tudo feito com muita fé na vida.

Uma prova dessa qualidade nacional é José Anatolio, o "Antônio", dono da primeira "Shopin Bike" da cidade do Rio de Janeiro. A loja sobre rodas seria um verdadeiro "mar de utensílios" se estivesse sobre as ondas. Mas como ela gira pelos asfaltos da cidade - através da força dos braços de Antônio - trata-se de  uma verdadeira montanha de mercadorias coloridas e cacarecos úteis para o dia-a-dia de nossas casas,  armazenados e vendidos sobre duas rodas.



Esta é a Shopin Bike (*). A ideia, nascida após um incêndio, é digna de uma boa matéria jornalística. Antônio é um exemplo, daqueles que mereciam estar nos comerciais intitulados "O Melhor do Brasil é o Brasileiro" - que eram veiculados há alguns anos. Imaginem que Antônio não pode ficar doente, senão a "lojinha" não fatura. Antônio não tem nem como ir ao banheiro (já pensaram nisso?). Antônio também não tem linha de financiamento "amigável" do BNDES e por isso arrasta solitariamente os 200 quilos de sua carroça, digo, sua bicicleta, pelas ruas da cidade.

O que mais impressiona em Antônio é a sua resiliência para vencer os obstáculos (da vida e das calçadas). Além, é claro, de seu sorriso quando se relaciona com a sua freguesia. Atendimento nota dez, ao gosto do cliente? Atributo de valor da marca da Shopin Bike.

Antônio e a sua Shopin Bike: empreendedorismo esperança, uma tecnologia socioeconômica original do Brasil.

(*) Fotografia feita por Lucas Gaulia Drummond, estudante de jornalismo da UFRJ.