domingo, 24 de novembro de 2013

Louis Vuitton branding.

A nova campanha publicitária da Louis Vuitton, traz a música de David Bowie embalando uma atmosfera de realeza, sonho e beleza que a marca francesa sempre buscou transmitir. 

Mais uma vez o luxo se encontra com a história para dar mais valor e requinte exclusivo aos consumidores da famosa marca. Depois do primeiro filme comercial feito pela LV para a atelevisão, rompendo um paradigma de sua estratégia de propaganda e que já nos convidava a uma viagem, a nova proposta nos leva agora para uma festa inebriante de fantasia, cor e poder. Sim, poder possuir uma Louis Vuitton.


Para quem quer se sentir parte de uma classe de nobres extravagantes - como o próprio Bowie - nada melhor do que comprar, possuir e mostrar os objetos do desejo assinados por Louis Vuitton. Comprovantes de que soubemos aproveitar essa viagem intrépida, romântica e ricamente misteriosa.

Certamente, um convite para poucos qualificados economicamente aceitarem. Pessoas diferenciadas que vislumbram um rito de passagem entre as ruas comuns da cidade para os salões encantados de um baile aristocrático, de príncipes e princesas na mágica e misteriosa cidade de Veneza. Um apelo único que somente a LV pode oferecer.

E que tal ver também o Making Of do filme?




quarta-feira, 20 de novembro de 2013

"Descuido e descaso. A insustentável incoerência do ser" (Trecho do artigo publicado no livro CUIDADO e SUSTENTABILIDADE).



Respeitar a vida humana é um princípio essencial desta nossa reflexão sobre o cuidar, que parte da Declaração Universal dos Direitos Humanos: uma conquista que considero até tardia para as nações do planeta e que já deveria ter sido ampliada para a compreensão de um dever cuidar de todos os seres vivos animados e não animados, da fauna e da flora, quem sabe, talvez, numa fusão com a Carta da Terra e na questão educacional, com a Carta da Transdisciplinariedade. Lembrando que se os direitos humanos são por certo impraticáveis sobre uma terra devastada e exaurida, um planeta só de plantas e animais vivendo em equilíbrio dinâmico, mas sem a presença do animal homem, também me parece inútil. Se somos parte de um todo muito maior que, talvez não vá sentir falta do “bicho homem” caso inviabilizemos nossa própria presença, eis aqui mais um motivo para irmos além da precaução ou da prudência e demitirmos de vez o descaso e o descuido com a vida, de nossas práticas diárias. Eis aqui um motivo para estabeleceremos o saber cuidar como base da tal sustentabilidade.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

TV Estácio - Sustentabilidade

http://www.youtube.com/v/JSyu7tTVJDw?autohide=1&version=3&feature=share&autoplay=1&attribution_tag=2sPPiSNO9oPH3HoOoRszeg&autohide=1&showinfo=1

Insustentável x sustentável?

Ser insustentável é privilegiar o descuido e o descaso. Com o outro, com a sociedade e com o ambiente. Me perguntam sempre como definir a tal da Sustentabilidade.Para mim é um conceito simples e prático. 

Ser sustentável é saber cuidar. E, claro, ter o desejo de cuidar. Cuidar de si, com das relações, do próximo e também das questões da nossa sociedade e do ambiente no quais estamos inseridos em nossas dinâmicas culturais, sociais, políticas.


No plano individual, o "Saber Cuidar" é ter esse olhar mais atento aos afetos, ao emocional em equilíbrio com o racional, o físico em equilíbrio com o mental. E claro, o espiritual, tão necessário e tão inexplicável, mas tão necessário.

Assista aqui a um trecho de uma entrevista minha para a Universidade Estácio sobre esse tema.