sábado, 26 de abril de 2014

Marca Estácio alcança US$ 260 milhões de valor.

A marca Estácio atingiu o valor de US$ 260 milhões ranking da BrandAnalytics / Millward Brown divulgado anualmente desde 2006 pela Isto É Dinheiro. Em relação ao ano passado a marca ampliou em 33% o seu valor. 


O ranking considera as variáveis da dimensão financeira e o valor do negócio no mercado de capitais bem como o valor dos intangíveis da empresa e a contribuição da marca para o resultado dos negócios, ou seja,  quanto a empresa perderia caso deixasse de usar seu nome e seu logotipo como a marca reconhecida em seus produtos e serviços.


A Estácio está numa trajetória de consolidação de sua cultura organizacional, integrando a Academia e a Gestão de forma a construir valor compartilhado com todos os seus públicos de relacionamento, especialmente com seus alunos, professores acionistas e colaboradores. 



Diferentemente de uma empresa que vende um produto como uma lata de cerveja ou faz uma entrega de um serviço pontual, uma organização voltada para o Ensino Superior e que tem como propósito "Educar para Transformar" sabe que cuidar de relacionamentos de longo prazo e trabalhar para a construção de vínculos de confiança são os maiores desafios para que a marca conquiste admiração e prestígio. E, confesso, fazer parte dessa construção, como gestor e professor, juntamente com um timaço de pessoas competentes e dedicadas é um experiência fantástica e um grande orgulho.  



quarta-feira, 23 de abril de 2014

Ensinar sustentabilidade.

Ensinar sustentabilidade não é fácil. Nossos modelos mentais foram formatados para perceber apenas segmentos separados e não o conjunto das conexões, através de uma visão sistêmica. A partir desse modelo, pensamos que fragmentados poderemos encontrar saídas e soluções para problemas planetários que atingem a todos os povos e nações de maneira conjunta. Ou seja, como se cuidar de uma parte desse conta de todas as outras. Não dá.

De qualquer forma, é preciso começar. Pensando nisso, trabalhar o conceito do cuidado como sinônimo da sustentabilidade me parece o caminho mais fácil, prático e compreensível para gregos e troianos começarem a entender do assunto. 

Na Estácio, para ensinar essa temática para os colaboradores começamos com um aula on line da Universidade Corporativa. A proposta é caminhar numa direção que dissemine sempre de forma simples como a sustentabilidade está no nosso dia a dia e muitas vezes nem percebemos.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Desenhando no trabalho?

Você sabe o que é o Design Thinking? Ele pode facilitar o nosso pensamento, a comunicação de uma ideia ou uma proposta de organização do nosso processo de trabalho e assim a tomada de decisão para um negócio, um projeto, um investimento novo na empresa.


Reuniões com grupos multi áreas e profissionais de diferentes nacionalidades podem ser facilitadas com o uso dessa técnica, que tem no desenho o gancho para permitir a visualização de um argumento ou de um modelo novo de pensar a empresa, o produto e toda uma estratégia.  

Qualquer pessoa que já apresentou um desafio ou a solução de um problema com uma caneta colorida em uma folha de papel sabe disso. Contudo,  muita gente ainda não percebe como colher os benefícios de utilizar desenhos de forma simples. Você pode até pensar que isso é uma grande inovação numa empresa burocrática e hierarquizada - que bloqueia a criatividade - mas é uma atividade antiga, do tempo das cavernas...



Por isso, que tal tentar tirar proveito profissional e pessoal do Design Thinking e começar a "desenhar no trabalho"?


segunda-feira, 7 de abril de 2014

Falando sobre Branding.

Os empregados de uma empresa são os principais defensores de uma marca. Não só porque trabalham na empresa, mas principalmente porque é através deles que as promessas feitas para o mercado são cumpridas e a missão da organização se concretiza. 



Por isso, falar sobre marca, sobre a cultura e sobre valor compartilhado é um movimento permanente e obrigatório. É claro que a liderança tem um papel crucial como "role model" e seus exemplos sempre falarão mais alto que suas palavras. Mas todo empregado realmente engajado deve entender seu papel e sua capacidade de influenciar opiniões sobre a empresa e sua marca.Numa sociedade em rede, todos se tornaram porta-vozes mais ou menos influentes. E marca, nós sabemos, é muito mais do que simplesmente uma propaganda no jornal, um símbolo estampado no hall de entrada da companhia ou um letreiro luminoso na fachada.

Na foto acima, um momento do Fórum de Executivos da Estácio Participações no qual mais de 300 gestores foram convidados a entender um pouco mais sobre a marca Estácio, seus valores, atributos desejados e sua reputação junto aos stakeholders. 

domingo, 6 de abril de 2014

O que faz a sua marca ser singular?

Ainda conversando sobre a comoditização das marcas como escrevi anteriormente, a capacidade de uma organização em fazer perguntas e construir narrativas confiáveis sobre os produtos, serviços e suas características, além de cumprir as promessas feitas são algumas questões importantes para quem quer fazer a diferença num mar de opções, nomes, alternativas e riscos. 



Seja o mercado que for, desde ovos ,minérios, chocolates, leite ou serviços, qualquer um pode se destacar e cobrar um preço diferenciado por isso, além de acumular um good will precioso em relação ao seu nome.

Vivemos numa realidade cada vez mais complexa com situações permanentes de mudança, crises e cobranças da sociedade, dos parceiros, dos órgãos reguladores e de uma legião de ONGs e associações bem como milhares de internautas agrupados em comunidades e atentos para qualquer derrapada no comportamento e no discurso das empresas.




A marca torna-se assim uma referência de valor. Símbolo de toda uma cultura capaz de inspirar, entreter, satisfazer ou afugentar admiradores e clientes. Hoje, cada pessoa dentro da organização é um "Embaixador da Marca" responsável pelo seu valor compartilhado. Não importa o ramo de negócios, o tamanho da empreitada ou o mercado pretendido, a gestão da marca enquanto um ativo dinâmico precisa ser considerada nos mapas de risco e no cálculo dos investimentos. E deve ser reforçada de forma permanente para todos os empregados.



Uma cultura virtuosa é uma cultura de marca que possui uma identidade única, vivenciada e exemplificada através de narrativas contadas por diferentes stakeholders. E os empregados devem ser os primeiros e mais engajados defensores da marca. Ao construir a cultura da organização, são eles mesmos que confirmarão a história e a originalidade da marca para a qual trabalham.