sexta-feira, 9 de maio de 2014

Robôs e comunicadores. Comunicadores robôs.

As inovações sempre assustam. Mudar então, nem se fala. A maioria das pessoas gosta de rotina - creio eu. Eu gosto de mudança. Mas tudo tem limite, ou não? Sei que não há limites para a genialidade humana e para a busca pelo novo sempre como uma vantagem competitiva.

Penso nisso a todo instante. Como fazer melhor? Como manter a busca e o ritmo pela excelência no meu trabalho? Tempo, dedicação, planejamento, olhar pra fora da caixa ou para dentro da caixa com criatividade...tudo isso faz parte de um universo comunicacional que a cada dia recebe mais demandas e novas exigências. O mundo não dorme. Os chineses idem.

A informática e a robótica estão nesse contexto nos trazendo novas potencialidades. Não sei onde vamos parar. Confesso que fiquei impressionado com um novo robôzinho, uma mão amiga mecanizada e inteligente capaz de escrever melhor que muito jornalista e muito escritor humano. Será verdade?


Parece que sim. É a nova promessa da tecnologia e do espírito inventivo dos homens. Um dia, provavelmente receberemos cartas ou e-mails de amor escritos por mão mecânicas e cérebros eletrônicos. Eles mesmos misturarão textos clássicos e estilos de centenas de escritores mortos há décadas e numa releitura global de obras, nos brindarão com o melhor dos livros. Em caligrafia original, única e ideias enredadas entre a ficção e a realidade. Talvez eles mesmos serão os seus próprios leitores! 

Muitas empresas os contratarão para trabalhar na comunicação interna e enviar newslleters, informativos e publicações detalhadas sobre as metas e a motivação do trabalaho e da vida na fábrica, na loja, no escritório. Se estes lugares ainda existirem do jeito como os conhecemos hoje, claro.

Tudo vai mudar! Imaginem robôs comunicadores! Fantástico? Por certo já temos muitos comunicadores robôs, perceberam? A inovação talvez seja dar mais emoção ãs máquinas para que cumpram com maestria a tarefa de levar mais afeto aos textos corporativos. Possível? Quem sabe?


Nenhum comentário: