domingo, 7 de dezembro de 2014

Horas trabalhadas ou energia dedicada? Cuidado não fique louco.

O consultor Flip Brown, sócio fundador da empresa Burlington nos EUA, é autor do livro How to Enjoy the Fruits of Your Labor Without Driving Yourself Nuts (pela minha tradução, algo do tipo: "Como aproveitar os frutos de seu trabalho sem ficar louco") mostra que todas as empresas perseguem uma maior produtividade dos seus empregados mas acabam sempre enfrentando o dilema de algumas horas são mais produtivas do que outras. E é natural que seja assim, uma vez que pouco sabemos como gerenciar nossa própria energia ao longo das nossas jornadas de trabalho (muitas vezes não nos conhecemos o suficiente para percebermos esses momentos e o nosso próprio estilo funcional). 


Flip Brown escreve que a diferença fundamental é o entusiasmo e a energia dedicada e não a quantidade de horas e que entender melhor em quais os processos devemos colocar maior ou menor energia é fundamental para não chegarmos ao final do expediente completamente exaustos. Brown dá algumas dicas como ter maior foco em determinados assuntos realmente urgentes e importantes e claro, ter maior autoconhecimento para saber em que períodos nós mesmos rendemos mais em determinadas atividades.Saber se somos mais extrovertidos e precisamos conversar mais com outras pessoas no escritório ou se pelo contrário, somos introvertidos e precisamos de alguns momentos de maior isolamento. Ou se precisamos dar uma voltinha já que nossa energia é alimentada por uma atividade física, menos sedentária. Enfim, como eu mesmo sempre escrevo, a psicologia humana faz toda a diferença nos modelos matemáticos e cartesianos que o trabalho ainda utiliza. Conhecer a si mesmo é uma passo fundamental para atingirmos nossos potenciais. 

O autor não traz grandes novidades, mas alerta que precisamos ter alguns momentos ao longo do dia para recarregar nossas baterias emocionais e recuperar nossas energias. Leia mais sobre o livro acessando o site da AMAZON e se quiser, uma pequena matéria na Fast Company.

Nenhum comentário: