domingo, 9 de agosto de 2015

Comunicação face a face: o bloqueio continua?

"Foram muitas as ocasiões em que os eres humanos mudaram o mundo mudando a maneira como conversavam" escreveu o historiador Theodore Zeldin em seu pequeno mas maravilhoso livro denominado "Conversações". Sim, uma conversa pode mudar muita coisa. Isso não deveria ser novidade, mas ainda é, em pleno Século XXI. Ao visitarmos um mercado oriental, seja na Turquia ou no Marrocos podemos perceber como a negociação dos preços das mercadorias ainda guardam o desejo de conversar e conhecer os compradores não como clientes, mas visitantes de regiões distantes que buscavam nos antigos mercados a possibilidade de trocas intensas com culturas e conhecimentos variados. Estamos hoje mergulhados profundamente na rede eletrônica mundial de conversas e vamos vivendo outra mudanças. Contudo, conversar frente a frente, olho no olho, face a face, continua sendo uma barreira para as empresas e as organizações, públicas ou privadas. Continua sendo uma barreira difícil para cada pessoa no momento no qual o relacionamento deixa de ser virtual para ser real. Deixa de ser intermediado para ser direto. A comunicação interna tem esse grande desafio: vencer barreiras e não só convidar os empregados a conversarem mais, como a conversarem melhor, sem medo de expressar suas percepções trazendo o melhor de seus potenciais para as mesas de reuniões e corredores. A conversa organizacional ainda não chegou no seu ponto ótimo, pois ainda não sabe como cada um dos profissionais lida com suas próprias barreiras emocionais ao ser encarado por palavras com as quais desconhecia os efeitos inconscientes.

Nenhum comentário: