quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Havaianas.

As sandálias Havaianas já são a marca licenciada com o maior volume de vendas na Rio 2016. Em matéria do Jornal Valor Econômico, Mario Andrada, diretor executivo de comunicação do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016 , disse que a venda de produtos licenciados está superando as metas e as sandálias Havaianas estão vendendo muito bem. Realmente, uma marca querida de muitos brasileiros e desejada por turistas de todo o mundo, as sandálias que não soltam as tiras nem deixam cheiro, são um sucesso de construção de marca e admiração.Fruto de um belo trabalho da Alpargatas, que já foi da construtura Camargo Corrêa e hoje pertence a JBS.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Comunicação interna: a marca está com o empregado.

A Virgin Atlantic lançou um filme sobre a excelência dos seus serviços. Criado pela agência Y&R ela apresenta o recado mais importante para qualquer marca na busca por cumprir seus apelos e suas promessas para seus clientes. A marca está na mão dos empregados! E a Virgin sabe disso e é orgulhosa de cada empregado seu, como fala Richard Branson, o CEO.  

A promessa da marca só se realiza através do trabalho dedicado e excelente de cada funcionário. Ponto. Não existe mágica. O produto e o serviço só serão ótimos se o empregado comprar o espírito da coisa toda, indo além  do já batido bordão do "vestir a camisa".


A entrega está com o empregado e a Virgin passa exatamente esse recado apresentando sua tripulação como pessoas excepcionais, nascidas para entregar o melhor do mundo: atenciosos, dedicados, como se tivessem verdadeiros super poderes. Cheios de glamour, mas também atentos aos detalhes de cada passageiro. Golaço da empresa! Vale para todas o exemplo. Seria ideal se os modelos do filme fossem empregados de verdade, mas tudo bem. A mensagem é clara. Um marca nasce de uma cultura mas só ganha valor no mercado através de suas pessoas.

sábado, 16 de janeiro de 2016

Audiovisual: o dinâmico mercado do entretenimento.

Segundo a consultoria PwC, brasileiros estão desembolsando algo em torno de 600 milhões de reais com cinema, TV a cabo, DVDs e filmes online por ano. O total, se a crise permitir, tem aumentado e a estimativa para  o ano de 2017, arrisca um volume de gastos cheguem a 800 milhões. Quem pode lucrar e crescer e com esse mercado de entretenimento são as produtoras nacionais, marcas como White Gorilla, Globo Filmes e a paulistana O2 estão mexendo com a dinâmica do mercado audiovisual. Um mercado que em tempos economicamente magros ainda é a opção mais em conta para uma classe média encurralada entre impostos altíssimos, desemprego e falta de investimentos no país. 

Falando em produtoras, a marca Legendary Entertainment (criadora de sucessos como 300, The Hangover, Jurassic World e Godzila), número de Hollywood, foi abocanhada pela chinesa Dalian Wanda e agora suas produções deverão ter o crivo cultural dos empresários do partidão chinês e suas metas de soft power global. O negócio foi fechado por US$ 3,5 bilhões e o fundador da Legendary, Thomas Tull, continua como Presidente do Conselho. 

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Bye bye Motorola. Hello Moto!

Marcas surgem, mudam, vencem ou morrem. Nem todas conseguem adquirir status global ou ao menos nacional. O trabalho é árduo e não é só de propaganda.


São as leis do mercado e a força de estratégias de sucesso ou fracasso dentro de um período de tempo. A Motorola é uma dessas marcas admiráveis por ter sido referência de produtos inovadores. Mas sucessos do passado não garantem o futuro de ninguém, apenas bons case studies nos bancos das faculdades. E assim, a Lenovo, proprietária da marca, anuncia o fim da Motorola. A empresa irá eliminar aos poucos, numa transição suave o nome Motorola e o nome Moto continuará a ser inserido nos celulares mantendo também a letra "M", seu já clássico logotipo. Além disso, os aparelhos ganharão a assinatura "Moto by Lenovo".  .

Bye bye Motorola, hello Moto!