quinta-feira, 28 de abril de 2016

Nova marca nas alturas!


A LATAM, controladora a TAM e a LAN, já tem uma nova marca cruzando os céus. Novos uniformes, novo design nas aeronaves, novas pinturas e sinalizações nos aeroportos além de  novos elementos compõem a nova identidade global da companhia aérea. 


A presentação oficial das mudanças foi feita hoje. Segundo Claudia Sender, Presidente da TAM, as marcas da LAN e da TAM não vão desaparecer de imediato, mas sim em escalas, até que a troca esteja bem assimilada por todos os passageiros, empregados, clientes e admiradores das marcas.



sexta-feira, 15 de abril de 2016

Interatividade e comunicação total.

A nova marca da companhia de telecomunicações Oi multiplicou-se me várias variáveis e ganhou contornos dinâmicos e maleáveis. A proposta buscou transmitir em seus formatos móveis e variados a interatividade, a conectividade, a mobilidade de um mundo cada vez mais mobile e antenado. A proposta do novo traçado da marca, com design mais colorido, informal, próximo e muito "fluído" é na verdade uma família de marcas. As marcas novas foram  desenvolvidas pela Future Brand em conjunto com a Wolf Ollins. O contraste com a marca anterior (com seis versões em cor sólida amarela) é gritante. Agora, são mais de setenta modelitos variados. O brand book deve estar literalmente insano para as áreas de operações e diretorias com pouca afinidade com o mundo do design e das identidades visuais, mas a proposta inova mais uma vez.
 


Evidentemente a concorrência não fica parada. E a TIM também está de mudança com uma nova identidade espalhada pelos outdoors das cidades. Totalmente diferente da sua concorrente, a TIM redesenha de forma sólida os antigos contornos ondulados na cor vermelha sugerindo um sentido de concretização para a convergência de mídias. Cada companhia, uma cultura. Cada marca representando uma proposta de valor. Compare.








sábado, 2 de abril de 2016

Comunicação interna: harmonizar relações.

Quanto mais buscamos resultados, impomos metas e objetivos cada vez mais difíceis - especialmente em cenário complexos e conturbados -, ampliamos o lado racional do ser humano dentro da empresa. Não existe problema nenhum nisso, a princípio. O uso racional de recursos, os cálculos e a gestão em busca da excelência, a aplicação de metodologias e controles são fundamentais para manter a empresa viva, gerando lucros, dando retorno aos acionistas, garantindo empregos e salários em dia. Contudo, é preciso sempre estar alerta para que as pessoas não se comportem como robôs e esse papel cabe ao comunicador interno e em espacial ao time de Gente e Gestão ou RH, como queiram. Os guardiões do clima interno de trabalho, totalmente ligado a um relacionamento sadio dentro da organização precisam perceber comportamentos muitas vezes automáticos. Escreveu uma vez um poeta que nosso inconsciente e nossas reações emocionais são como um cachorro. Enquanto esticamos as roupas limpas no varal de forma arrumada, esse cachorro já foi pra sala fazer xixi no tapete. Portanto, meu recado aqui é esse. Harmonizar as relações levando em conta nossos sentimentos é vital para o bom funcionamento do lado racional humano. E vice versa. Equilíbrio é importante, pois não somos máquinas.